Vendedor de veículos. Uma profissão que não existe.

A profissão de vendedor de veículos não é reconhecida, portanto, não é regulamentada oficialmente e, consequentemente, não existe.

O registro na carteira de trabalho, quando é registrado, é de vendedor em comércio varejista. Especificamente, a profissão de vendedor de veículos não consta na CBO – Classificação Brasileira de Ocupações do Ministério do Trabalho e Emprego.

Não desmerecendo a importância de outras ocupações, na CBO consta, por exemplo, as profissões de lavador de veículos, vendedor de consórcio, avaliador de automóveis, além das funções de supervisor de vendas, gerente de vendas e gerente geral de vendas entre várias outras profissões específicas do setor automotivo, mas nada alusivo a de vendedor de automóveis, de comerciais leves, de caminhões, de ônibus, de tratores ou de motocicletas.

Portanto, a ocupação ou a profissão de vendedor de veículos ainda não existe oficialmente, ou talvez, os próprios vendedores façam questão de não existir. Quem sabe, também, os empresários não tenham interesse em profissionalizar e capacitar o pessoal de vendas.

Será? Será que uma categoria profissional deste quilate não queira ser reconhecida e regulamentada? Será que não desejam ser unidos? Não tenham nada a reivindicar? Será que não há nenhuma posição a defender que os beneficiem ou ao menos que não os prejudiquem?

A ideia de formar uma categoria reconhecida e regulamentada, não é para tratar apenas de reivindicações salariais ou trabalhistas e, sim, ter voz ativa, fazer parte de eventos importantes e poder opinar sobre ações e decisões que hoje são tomadas a revelia e que afetam todo um setor de grande influência socioeconômica.

É fundamental que todos os vendedores de veículos se mobilizem e queriam ter sua profissão reconhecida, regulamentada, forte, respeitável e digna.

CORRETOR DE VEÍCULOS AUTOMOTORES

Mais do que um corretor de imóveis ou corretor de seguros (profissões reconhecidas, regulamentadas e regidas por conselhos regionais), o vendedor de veículos é, e deveria ser reconhecido e regulamentado como verdadeiro e autêntico corretor, ou seja, Corretor de Veículos Automotores, pois o exercício desta profissão exige um profundo conhecimento de várias atividades que afetam e influenciam na qualidade de vida e em aspectos fundamentais da cidadania das pessoas.

Além do conhecimento técnico básico sobre o funcionamento de veículos automotores, seja motocicleta, automóvel, comercial leve, caminhão, ônibus ou trator, é essencial conhecer o mercado, legislação, tributos, documentação, financiamento, direitos e deveres dos consumidores, princípios éticos, técnicas de vendas e negociações, cidadania, mobilidade consciente, entre tantos outros assuntos.

Os grandes beneficiados, além dos próprios vendedores e seus empregadores, serão os consumidores, que terão absoluta confiança de estarem adquirindo bens de alto valor que serão integrados como parte de seu patrimônio, tendo como intermediários pessoas competentes, qualificadas e plenamente aptas a atender, ensinar, explicar, orientar e vender qualquer veículo automotor, seja novo ou usado, sempre o mais adequado as condições e necessidades de cada um dos compradores.

O vendedor de veículos, mais do que apenas vender veículos, está se tornando um agente de mudanças socioeconômica, com enorme potencialidade para assumir compromissos de cunho social, engajados nas suas atividades cotidianas e de grande valor agregado ao seu currículo profissional.

Um dos maiores indícios que esta tendência é real e irreversível, é entender algumas medidas que já foram adotadas por força da lei, para que os vendedores de veículos sejam mais qualificados e mais comprometidos como, por exemplo, as resoluções 3954/11 e 3959/11 do Banco Central, que a partir de 24/02/2014, passará exigir que toda pessoa que de alguma forma explique, oriente ou realize qualquer procedimento de financiamento, principalmente de veículos, deverá ser oficialmente credenciada pelo Banco Central, como correspondente financeiro.

Para tornar-se correspondente financeiro é necessário inscrever-se para um exame de conhecimentos (prova escrita presencial), realizado por entidades credenciadas pelo Banco Central, podendo optar por estudar em cursos preparatórios, que contemplam vários temas, que vão desde matemática financeira até explicações sobre processo de lavagem de dinheiro, além de conhecimentos óbvios sobre o Código de Proteção e Defesa do Consumidor, entre outros temas.

O objetivo maior é disseminar o conceito de crédito consciente, contribuindo substancialmente, para a redução do nível de inadimplência, através de informações e orientações pontuais.

Esta exigência é um fato definitivo, que já está em andamento e promoverá em breve uma transformação muito grande nas atitudes e habilidades dos vendedores de veículos e na própria atividade de vendas.

Valeria a pena repensar os rumos de uma categoria tão importante e representativa para a economia brasileira, lembrando que, além de vender um bem que agrega valor patrimonial, o vendedor de veículos pode ser capacitado para tornar-se um excepcional agente multiplicador da mobilidade consciente, vendendo veículos e, simultaneamente, transmitindo conceitos de cidadania e segurança.

A inspiração para o reconhecimento da categoria poderia vir das vendas de seguros e imóveis, cuja atividade é fundamentada na imagem do Corretor, monitorada, fiscalizada e regulamentada por Conselhos Regionais.

Anúncios

, , , ,

  1. #1 por Laercio Guimarães em 01/07/2013 - 16:32

    Bom tarde,gostei das explicações e estou interessado em trabalhar com a venda de veículos,porém não pretendo trabalhar para uma loja,gostaria de realizar o trabalho de forma autônoma como pessoa jurídica tudo dentro da lei,como se fosse um corretor,baseado no trabalho de corretor de imóveis,identificando os veículos para futuros compradores prestando toda a assistência necessária para a realização da venda,oferecendo comodidade ao cliente e o vendedor do veículo,vou procurar o sebrae e explanar minha idéia,oque você acha?

    Abs

    • #2 por Amos Lee em 03/07/2013 - 16:57

      Prezado Laércio,

      Para obter o sucesso pretendido é fundamental ter conhecimento profundo sobre o mercado, os produtos e a operacionalidade, bem como, possuir muito relacionamento com as concessionárias, lojistas, financeiras, seguradoras e despachantes, enfim, domínio total dos mecanismos de compra e venda de veículos. É claro que, um excepcional número de potenciais clientes e amigos, será a outra ponta de todo o negócio.
      Sugiro que antes de mergulhar de cabeça nesta empreitada, faça um pequeno investimento em um plano de carreira de vendedor de automóveis.
      Inscreva-se nos cursos oferecidos pela Universidade Automotiva – UniAuto, optando inicialmente pelo curso de Técnicas de Vendas e Negociações para Automóveis Novos.
      Já será um bom começo para ajudá-lo na decisão de tornar-se um corretor de Veículos Autônomo.

      Amos Lee

  2. #3 por FERNANDO em 04/12/2015 - 02:12

    Como faço para saber se a pessoa é credenciada e onde denuncio? Ouvi dizer do limite de carros comprados e vendidos no ano. Como funciona?

    • #4 por Amos Lee em 13/12/2015 - 22:23

      Prezado Fernando,

      Não existe uma entidade que credencie a atividade de “vendedor de veículos”.

      Provavelmente, em alguma situação de negócio listado abaixo, você passou:

      1. Concessionária – se vc não ficou satisfeito com o atendimento na concessionária, acesse o site da montadora e entre em contato com o SAC – Serviço de Atendimento ao Cliente.

      2. Loja multimarcas – se vc realizou o negócio como pessoa física, procure o Procon da sua cidade, com todos os documentos da transação para realizar a queixa e, dependendo da situação, delegacia de polícia para realizar um boletim de ocorrência.

      3. Vendedor autônomo

      4. Proprietário

      Nesses dois últimos casos, dependendo da situação, procure uma delegacia de polícia, talvez possa ser enquadrado como estelionato, por exemplo.

      Em todos os casos, você pode procurar seus direitos na justiça, através de um advogado.

      Sobre o limite de compra e venda de veículos, somente a Receita Federal terá como notificar o contribuinte.

      Regulamento do Imposto de Renda – RIR/99 (Decreto nº 3.000, de 26 de março de 1999 )
      Capítulo II
      EMPRESAS INDIVIDUAIS
      Seção I Caracterização
      Art. 150. As empresas individuais, para os efeitos do imposto de renda, são equiparadas às pessoas jurídicas (Decreto-Lei nº 1.706, de 23 de outubro de 1979, art. 2º).
      § 1º São empresas individuais:
      I – as firmas individuais (Lei nº 4.506, de 1964, art. 41, § 1º, alínea “a”);
      II – as pessoas físicas que, em nome individual, explorem, habitual e profissionalmente, qualquer atividade econômica de natureza civil ou comercial, com o fim especulativo de lucro, mediante venda a terceiros de bens ou serviços (Lei nº 4.506, de 1964, art. 41, § 1º, alínea “b”);

      Vale ressaltar que, riscos existem em qualquer transação, por isso antes de fechar qualquer negócio, procure informações e dê preferência a empresas estabelecidas.

      Forte abraço
      Amos Lee

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: